Pearl Harbor

O Japão se expande pelo Pacífico

Ataque japonês a Base Naval de Pearl Harbor - Hawaí

Após abandonar as características feudais, o Japão ingressou definitivamente na era industrial e imperialista. Juntamente com a tecnologia absorvida do Ocidente aliada a forte disciplina de trabalho e a mão-de-obra abundante e barata, os japoneses, para alcançar os mercados e fontes de matéria-primas, fizeram do militarismo agressivo a base para um fanático nacionalismo emergente. A Marinha Japonesa era um elemento chave para a conquista das áreas de interesse no Pacífico. Na década de 20, os Estados Unidos, juntamente com a Inglaterra, tentaram restringir a expansão da Marinha mas sem sucesso. Em 1931 o Japão tomam a iniciativa e ocupa a Mandchúria e em 1937 iniciam uma guerra contra a China. O soldado japonês, baseado no código de honra dos antigos samurais, o Bushido, tinha a coragem e o auto-sacrifício como fundamento de sua conduta de verdadeiro guerreiro. Em 1940 a Indochina francesa é tomada pelo Japão desagradando os EUA. A disputa pela hegemonia no Pacífico cresceu. Diante disso, o Presidente dos EUA, Roosevelt começou a impor sanções econômicas sobre o Japão, restringindo as exportações vitais para os japoneses inclusive o fornecimento de petróleo. A cúpula militar japonesa diante dessas imposições passou a considerar uma ação militar contra os Estados Unidos. Era de se esperar que os japoneses prefeririam a guerra pois o governo do Japão encontrava-se nas mãos do imperador Hirohito , que possuía uma autoridade basicamente nominal, enquanto que na chefia do governo estava o general Hideki Tojo. Os EUA e o Japão deram início a processos diplomáticos para evitar o confronto bélico e solucionar suas pendências. Enquanto esse processo se desenrolava o almirante Isoroku Yamamoto, comandante-chefe da Esquadra Combinada, preparava-se para o ataque à base Naval Norte-Americana de Pearl Harbor na ilha de Oahu, no Havaí. Yamamoto acreditava que destruindo a frota de porta-aviões dos EUA imobilizaria os americanos de forma rápida impossibilitando qualquer reação. No dia 7 de dezembro de 1941 o Japão lança seu traiçoeiro ataque. Esta ação devastadora foi liderada pela força-tarefa do almirante Nagumo. O ataque surpresa poderia ter sido evitado não fosse o inacreditável relaxamento e descaso dos norte-americanos diante de uma iminente ação militar. Para a sorte dos americanos, os porta-aviões no dia do ataque não encontravam-se na base naval. Cerca de 2403 pessoas foram mortas e 1178 ficaram feridos, além de 21 navios danificados ou afundados e 347 aviões destruídos. Os depósitos de combustível e outras instalações não foram atingidos, o que poderia ter gerado um estrago ainda maior. Em 8 de Dezembro de 1941, diante da indignação do povo americano, o Presidente Roosevelt juntamente com o Congresso dos Estados Unidos, declarou guerra ao Japão marcando a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e o  início da Guerra do Pacífico. Durante vários meses, após ao ataque a Pearl Harbor, os japoneses realizaram inúmeras conquistas pelo Pacífico. A Birmânia, as ilhas Salomão, as Filipinas e a Indonésia sucumbiram diante do avanço japonês. Até mesmo a Austrália foi ameaçada. 256px-TBDs_on_USS_Enterprise_(CV-6)_during_Battle_of_MidwayNa campanha do Pacífico, o Japão cometeu um erro semelhante a Alemanha na Campanha da Rússia ou seja expandiu-se demasiadamente o front. Os japoneses tornaram difícil o abastecimento de suas tropas que ficaram totalmente dependentes de sua Marinha. Quando começava a sofrer ataques norte-americanos, seu exército ficava dividido e neutralizados em muitas ilhas. A Marinha Japonesa obteve muitos sucessos no Pacífico mas não por muito tempo pois os norte-americanos começaram a se recuperar e contra-atacar. Após o ataque dos EUA a Tóquio, o almirante Yamamoto decidiu realizar doias atques contra as força dos EUA no Pacífico:  O primeiro ataque com êxito foi realizado contra as ilhas Aleutas e o outro contra a base de Midway a noroeste de Pearl Harbor. A intenção de Yamamoto neste segundo ataque seria forçar os EUA a uma batalha frontal de porta-aviões. Mas nesta batalha o Japão perdeu 4 valiosos porta-aviões bem como tripulações treinadas para os aviões de combate. A Batalha de Midway marcou o fim de um ciclo de ofensivas do Japão desde o ataque a base de Pearl Harbor e representou o término da invencibilidade japonesa no Pacífico estabelecendo o equilíbrio de forças frente às batalhas decisivas que se seguiriam.

Referencias:
Moares,José Geraldo Vinci de, 1960 – História: geral e Brasil: volume único / José Geraldo Vinci de Moraes. – 2.ed. – São Paulo: atual, 2005
Lopez, Luiz Roberto, História do século XX. 3ª ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1987

Comentários estão fechados